BONS NEGÓCIOS
BUSCADOR DE FRANQUIAS
VER TODAS
Francap
Negócio em franca expansão
Novas franquias rumam para o interior do País e atraem o interesse de fundos de private equity.

Por Andrea ASSEF


A cada 36 horas, uma nova rede de franquia surgiu no mercado brasileiro no ano passado. Esse dado demonstra a força do setor no Brasil. Na última década, essa atividade obteve um crescimento de dois dígitos ao ano. Em 2012, deve ultrapassar a barreira dos R$ 100 bilhões, um aumento de 15% em relação ao ano anterior, com a abertura de uma loja franqueada a cada hora, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF). Se fosse uma empresa, estaria atrás apenas de Petrobras e Vale no País. “No cenário atual de economia estabilizada, aumento do poder de compra da população e juros baixos, a expectativa é de que o ritmo acelerado de crescimento se mantenha pelo menos nos próximos cinco anos”, diz Ricardo Camargo, diretor-executivo da ABF.

Ao trocar o papel de coadjuvante pelo de protagonista no palco da economia mundial, o Brasil passou também a atrair o interesse dos fundos de investimento e das empresas de private equity que já colocaram o segmento de franquias no radar. “Há dez anos, os fundos de investimento tinham horror de franquias, pois achavam que seria complicado lidar com várias pessoas de perfis diferentes”, diz Marcelo Cherto, presidente da consultoria paulista Cherto. “Hoje, grandes negócios estão sendo feitos por fundos de investimento.” Ele cita como exemplos a empresa americana de private equity Carlyle Group, que comprou 63,6% da CVC Turismo, maior operadora de franquias de viagens da América Latina, em 2010, e do fundo Axxon, que adquiriu, em 2009, a Mundo Verde, rede de lojas de produtos naturais.

A principal explicação para a mudança de foco por parte dos grandes investidores está no potencial dos negócios gerados através de franquias no Brasil. Enquanto a Europa está em crise e os Estados Unidos em desaceleração econômica, o Brasil virou terreno fértil para se desbravar nas áreas de investimentos. De acordo com Cherto, ainda há muito espaço para crescer no segmento de franquias. “Enquanto no Brasil o setor representa 2,3% do PIB, nos Estados Unidos corresponde a 13,8%”, diz ele. A movimentação que mais está mudando a cara do segmento no País é a interiorização do mercado de franquias. O processo de expansão para o interior ganhou força nos últimos dois anos em função de fatores que vão desde os altos preços dos imóveis nas principais capitais até a maturação de algumas redes nas grandes cidades brasileiras.

“As franquias estão se deslocando para cidades de padrão médio, com população entre 100 mil e 300 mil habitantes”, diz o economista Marcos Nascimento, diretor da Cia de Franchising, empresa que formata e comercializa redes de franquias. Um dos principais elementos de atração das franquias para o interior é o avanço dos shopping centers para fora dos grandes centros urbanos. Segundo a Associação Brasileira de Shopping Centers, neste ano serão inaugurados 38 shoppings, sendo 14 nas capitais e 24 no interior do País. A entrada em cidades de menor porte foi um dos fatores para o Boticário, de Curitiba, no Paraná, ter superado o McDonald’s pela primeira vez no ano passado e se transformar na maior franqueadora brasileira, com um faturamento de R$ 5,5 bilhões.

Nos últimos quatro anos, a estratégia da marca O Boticário foi investir na capilaridade da rede, que está presente em 1,6 mil municípios do País. A mineira Água de Cheiro, a terceira franquia que mais cresceu em 2011, também aposta nos mercados das cidades do interior do Brasil para realizar seu ambicioso projeto de expansão. Atualmente com 882 lojas espalhadas pelo Brasil, a rede de perfumaria, que faturou R$ 375 milhões no ano passado, pretende chegar a mil unidades até o fim de 2012. “Desde que foi adquirida pela Globalbras em 2009, a marca está passando por um processo de rejuvenescimento e de reposicionamento”, diz Martin Oyanguren, diretor-comercial da Água de Cheiro. O maior crescimento da rede está ocorrendo no Sudeste e no Nordeste.

“Hoje, a Água de Cheiro tem cerca de 30% das lojas em capitais e o restante no interior”, afirma Oyanguren. Outra marca que avança rumo ao interior brasileiro é a Lilica & Tigor, franquia do segmento de vestuário infantil da catarinense Marisol. Segundo Cássio Barcellos Cansian, gerente de expansão, a rede já conta com 170 unidades no Brasil. “Na região Sudeste já estamos nas principais cidades do interior paulista, como Jaú, Itu e Botucatu”, diz Cansian. De acordo com Nascimento, da Cia de Franchising, isso vale para o interior de boa parte dos Estados brasileiros. “Todas as cidades que possuem algum tipo de polo de desenvolvimento têm mercado e recursos para a instalação de franquias.”

icon facebook
icon facebook
Rua Pedroso Alvarenga, 1046 - 14º Andar - Itaim Bibi - São Paulo/SP | Tel. (11) 5180-5555 | Fax. (11) 3079-1998
desenvolvido por Criamix
NEWSLETTER