BONS NEGÓCIOS
BUSCADOR DE FRANQUIAS
VER TODAS
Francap
Comércio registra aumento de 3,2% nas vendas do semestre
Para Fecomercio, se os juros fossem mais baixos, resultados poderiam ser melhores
As vendas do comércio varejista na região metropolitana de São Paulo cresceram 3,2% no primeiro semestre de 2006 em comparação ao mesmo período de 2005, aponta pesquisa da Federação do Comércio de São Paulo (Fecomercio). O resultado foi considerado fraco pela instituição, que acredita que o setor acompanhará a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) e dificilmente encerrará o ano com desempenho acima de 4%.

De acordo com o presidente da Fecomercio, Abram Szajman, as altas taxas de juros impedem que o comércio registre melhores números. "O elevado custo dos empréstimos representa um freio de mão puxado para a economia brasileira", afirma. A instituição constatou que, embora os juros médios cobrados de pessoas físicas e jurídicas tenha caído de 55,5% ao ano no primeiro semestre de 2005 para 52,8% em 2006, a taxa real (descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA) subiu de 44,5% para 45,6% ao ano no mesmo período.
Apesar disso, no primeiro semestre de 2006, o crédito cresceu 16%, ultrapassando 240 bilhões de reais.

Segmentos

Dos nove segmentos analisados pela Fecomercio, quatro apresentaram aumento de vendas, outros quatro perderam negócios e um manteve-se estável (veja tabela abaixo).
Os supermercados, por contarem com maior peso na pesquisa, foram os que mais contribuíram para o incremento das vendas no varejo entre janeiro e junho. De acordo com a Fecomercio, o segmento se beneficiou da redução do desemprego, que caiu de 11,2% para 10,3%, e do crescimento de 5,6% da renda dos brasileiros, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O aumento da confiança do consumidor na economia também ajudou a elevar os resultados. Segundo Szajman, esse cenário deve sofrer poucas mudanças nos próximos meses. "A inflação deve continuar sob controle, permitindo um ganho real no poder de compra, e o crédito tende a manter a trajetória de crescimento, apesar dos juros serem excessivamente elevados", afirma.

Nos seis primeiros meses de 2006, as lojas de vestuário, tecidos e calçados foram a que tiveram maior aumento de vendas, 13,1%. Para o ano, no entanto, as previsões para farmácias e perfumarias, são as mais favoráveis, apontando crescimento de 12% nas vendas, contra 6% das lojas de vestuário, tecidos e calçados e 4% dos supermercados.

icon facebook
icon facebook
Rua Pedroso Alvarenga, 1046 - 14º Andar - Itaim Bibi - São Paulo/SP | Tel. (11) 5180-5555 | Fax. (11) 3079-1998
desenvolvido por Criamix
NEWSLETTER